Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

O anúncio mais improvável do futebol inglês está na sexta divisão

O modesto Blyth Spartans associou-se a uma agência que promove viagens à Coreia do Norte.

DR

Para além do Manchester City em modo crise e do Liverpool em modo invencível, um dos clubes mais falados da jornada do Boxing Day, em Inglaterra, foi o Blyth Spartans, um modesto clube da sexta divisão. Não pelos feitos futebolísticos, mas por uma parceria comercial, no mínimo, invulgar e que rapidamente se tornou viral nas redes sociais e um dos assuntos do dia na comunicação social britânica. Entre anúncios ao Tavern Bed & Breakfast e ao curso de paramédicos da Universidade de Sunderland, estava na publicidade estática à volta do relvado um painel a promover viagens à Coreia do Norte.

Blyth é uma pequena cidade costeira no norte de Inglaterra, com uma população de 37 mil habitantes, e que tem o Spartans como clube mais representativo da cidade. No jogo da última quarta-feira, em Crown Park (um recinto com 500 lugares sentados e quatro mil em pé), um cartaz de fundo branco com “Visit North Korea” a vermelho e um endereço de Internet captou a atenção dos adeptos, que primeiro pensaram tratar-se de uma piada. Mas não era. Viria a saber-se depois que esta agência baseada na China e fundada em 2015 por um inglês de Sunderland tinha pago 150 libras para promover excursões àquele que é considerado o país mais fechado do mundo.

O painel publicitário gerou várias reacções, entre o humor (uma montagem de Kim Jong-un com um equipamento dos Spartans) e a crítica pela associação do clube ao regime ditatorial de Pyongyang e às violações dos direitos humanos no norte da península coreana. As críticas, diz o clube, são exageradas. “Quem sou eu para julgar. O tipo que é dono da agência vai lá para visitar o país, não para apertar a mão a Kim Jong-un”, diz ao jornal “Chronicle” Mark Scott, director comercial dos Spartans, que também terão referências à agência no site e nas redes sociais.

O que começou por um pequeno anúncio num clube pequeno já ganhou fama e, diz o dono da agência ao The Guardian, já há muita gente, incluindo adeptos do Spartans, a pedir informações sobre os vários pacotes oferecidos, entre eles um mês a estudar numa universidade norte-coreana que a própria agência descreve como “uma das mais surreais experiências de aprendizagem possíveis”.

Para o Blyth Spartans, que vai navegando a meio da tabela da National League North, o objectivo já foi conseguido, o de colocar o clube no imenso mapa futebolístico de Inglaterra, como refere Mark Scott: “Eles usaram-nos para testar uma resposta, e nós somos muito baratos – não queriam gastar dinheiro no Sunderland e no Newcastle. Ambos estamos a ter publicidade com isto – e qualquer publicidade é boa publicidade.”